Pesquisar este blog

sábado, 5 de junho de 2010

Corda Bamba


Que faço eu na corda bamba dos versos
Onde eu mesma me impeço
De cair na real...
Idade dos sonhos longínquos
Espécie de trapézio virtual.
Que faço eu flutuando entre os pássaros
Rebuscando palavras asteróides,
Cometas que rimam, ascendem e caem
Na estéril loucura de um poeta
Que aflito necessita de ar:
Que faço eu senão tentar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário