quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Sentido único


Faixas faróis e placas

Que orientam

Como regras sensatas

Que a sociedade inventa.


Toda escolha implica

Em perder ou ganhar

Toda estrada a gente pega

E nunca sabe onde vai dar...


A sociedade de regras e placas e fumaças

Esquadra e enquadra a vida

Que escapole sempre de alguma forma

Como água que não quer ser contida.


Pelas avenidas de asfalto cinzento

Trafegam paixões e sentimento

Na cidade invisível das almas

Que lutam contra o cimento...
(Edilene Santos)








2 comentários: