segunda-feira, 8 de junho de 2009

Festas Juninas


Junho é um mês muito especial pra mim.

Filha de nordestinos, aprendi desde cedo a fazer fogueira, balões,pipocas, a gostar da dança e da alegria tão peculiar a esse povo brasileiro.

Meu pai (João) aniversaria em junho.Vai ver que é por isso que ele fala tanto das coisas de sua terra ,dos folclores, das catiras,reizados, vaquejadas,violeiros e ,claro,das memoráveis festas juninas,que todo nordestino se gaba em dizer, não há iguais às de Caruaru.

Lembro de um tempo doce em que meus irmãos, os vizinhos,primos e amigos chegavam e se assentavam ao redor da fogueira (aqui mesmo na periferia de São Paulo).Havia espaço ,quintais de terra batida, ruas tranquilas e quase sem carros e a gente tinha esse privilégio de ficar até bem tarde brincando ou papeando no portão.

Minha mãe preparava sempre alguma coisinha,porque não havia tanta fartura assim, mas havia sempre a boa vontade e o prazer de ensinar aos filhos que "o pouco com Deus é muito".

No grande terreno ao lado da nossa casa meu pai plantava milho,batata doce,abóbora, de tudo um pouco...eu ficava abismada em ver como ele entendia da terra e me perguntava como ele podia saber a época certa de cada plantação.

As vezes ele nos deixava colocar os grãos de milho nas pequenas covas que ia abrindo e sempre com a recomendação da quantidade certa(que não deve passar de cinco ou seis eu acho).

Espertinhos, a gente sempre achava que se colocássemos um pouquinho mais ia nascer muito mais milhos.Meu pai ria da nossa teoria e ficava de olho pra retirar sutilmente qualquer excesso.
Aprendi com ele a respeitar a natureza, a gostar dos bichos e da simplicidade da vida.

O tempo passou e hoje na periferia ( no mesmo lugar onde nasci), já não há mais espaço para tantas fogueiras como havia antes.A cidade cresce assustadoramente e as pessoas vão tratando de construir casas e mais casas em todo o espaço possível.

Ainda assim sempre se dá um jeitinho e logo surgem as quermesses nas ruas, nas paróquias,em todo canto um prato típico,o quentão e o vinho pra espantarem o frio e assistimos assim a continuidade dessa tradição tão bonita.

São Paulo que abriga tantos imigrantes do norte e nordeste, ganha assim um colorido especial.Noite de festas juninas, noites de sonhar com o sertão, com a alegria, o cheiro e o sabor do campo...

2 comentários:

  1. Edi,
    Apesar de ser ume herança portuguesa, não há nada mais brasileiro que as festas juninas. Tradição do nosso povo, lembrada e vivida até os dias de hoje, com uma linda e longa vida pela frente.
    E lembre, dia 13, sábado, e dia de Santo Antônio. Vamos caprichar no nosso Arraiá!!
    Bjs!!

    ResponderExcluir
  2. é isso mesmo Drix1Vamos curtir nossas festas juninas!
    Obrigada pela visita ao blog e volte sempre!
    bjs

    ResponderExcluir